Postagens

Bem, eu sinto falta de tudo, não consigo especificar, só sinto falta, muita falta.

Imagem
Vivemos numa grande correria diária e por causa disso nos afastamos cada vez mais uns dos outros. Mas uma vez cativado, jamais se esquece de quem o cativou...
Pode parecer óbvio ser cativado e cativar as pessoas da nossa família, porque a gente já as ama desde que nos entendemos por gente, mas a gente cria laços ainda maiores a partir da convivência e da demonstração e reciprocidade dos sentimentos. E, é a partir disso, que eu gostaria de falar sobre o quanto amo o ser humano responsável por este blog.
Eu a conheço desde os meus três anos de idade e desde então convivemos juntas em diversos ambientes: família, igreja e escola, dividindo momentos de alegria, diversão, emoção, mico, tristeza e dor.

Me lembro de estar com ela no primeiro dia de aula na creche Barquinho de Papel, no dia em que ela tomou uma pedrada no ensino fundamental, na perda de alguém muito especial, em praticamente todos os seus e meus aniversários, natais e viradas de ano e em momentos corriqueiros em dias comuns …

Infelizmente ou felizmente

Imagem
Missão difícil é me fazer lembrar de coisas que aconteceram no passado. Começo esse post assim pra já deixar claro que quanto mais o tempo passa, mais complicado é pra mim recordar os detalhes dos anos anteriores. Mas uma coisa é certa, eu me lembro muito bem que tudo começou no ensino médio. Eu era amiga da Ashley, e aí surgiu uma moça chamada Amanda Kelly que roubou a atenção da minha amiga. Fiquei bolada? Sim.

Amanda me achava metida, e isso eu descobri depois que já éramos amigas. Ela alegou que esse era o motivo que a fez não gostar de mim (risos porque sou um amor). Enfim, o tempo se passou e hoje ela é uma das minhas melhores amigas, senão a melhor.

Infelizmente ou felizmente, ela se mudou pra Portugal. Infelizmente porque não estamos mais juntas, e felizmente porque sempre torço para o que vai ser melhor pra ela.

Quando ela me contou que se mudaria, pediu segredo, porque tudo estava incerto ainda. Lembro-me que na minha cabeça, isso seria algo distante, mas que na realidade, …

A distância relativa

Imagem
Eu sempre tive dificuldade para começar qualquer tipo de texto, mas acho que nesse caso devo me apresentar e contar da minha relação com a mulher mais incrível que é a dona e escritora desse blog.

Bom, me chamo Lara e moro no BR. Conheci a Amanda em 2015, no significado mais bruto da palavra. Eu era segundo ano e ela terceiro, do ensino médio, nos conhecemos indiretamente mas logo depois a poeira cobriu tudo.

No dia 09 de fevereiro de 2018 (olha, deu um trabalho danado achar essa data porque tive que rolar toda a conversa no direct do Instagram) eu respondi um story dela, mas nossa linda amizade não começou assim do nada, ela não me dava moral, percebi que, com o processo de rolar a conversa, ela meio que não respondia umas mensagens, bobas até, mas eu continuava respondendo os stories dela, até que fomos para o whatsapp. 

Quando Amanda me disse que tinha se mudado para Portugal, até que foi OK, não TÃO ok né, visto que geralmente as pessoas se mudam para outros bairros e não ou…

Distância X amizade platônica

Imagem
Conheci a Amandinha através da Ju e da Marcela, que conheci quando fui menor aprendiz. No início achei que fosse a menina mais séria do mundo... estava enganadíssima.

Amanda sempre esteve na minha vida desde então, nunca pessoalmente, porque nos vimos pouquíssimas vezes, mas pra que presença física quando existe sintonia?!

Passei por muitos momentos difíceis e, por algum motivo, algo me pedia pra recorrer a ela. Sempre ouvi dela as melhores palavras de conforto, como se fosse Deus falando comigo em cada detalhe.

Um dia antes de ela ir embora de vez, eu estava na casa da Ju no aniversário do Pepedo e acabei aproveitando a viagem (convenhamos, eu moro um pouco longe) para me despedir. Eu não entendi direito o motivo do aperto no peito, afinal nunca convivemos, mas ver a Marcela e Jussara naquele estado, ver a Amanda chorando... fez com que eu entendesse tudo: a Amanda cuidava das minhas duas melhores amigas, e agora a responsabilidade era toda minha.

Bom, Amanda é importante pra elas e…

Pelo visto não é a Amanda escrevendo aqui!

Imagem
O mês de fevereiro de 2018 pra mim foi incrível, afinal pude passar ao lado das pessoinhas loucas (Lety, Amandita, Paty e Lila) que tanto amo. Pensem em umas pessoas que são um acervo ambulante de cultura, risada e leveza? Sim, são essas meninas!

Fiquei viciada na série da Kotoko por causa delas. Assistimos todos os dias enquanto estive lá (ou quase todos). Até criamos o grupo das Dorameiras.

Estava tão frio que a gente esperava alguém ir no banheiro pra tampa do vaso ficar quentinha. Mas o calor humano foi o melhor, afinal eu tive os melhores abraços e conforto quando passei por alguns dias tristes lá, Amandita me abraçava toda hora que eu ficava na bad. A gente pôde rir feito hienas, cantar várias músicas goxxpel, pagar altos micos sem vergonha de ser feliz.


(Amanda comentando isso aqui: a típica foto "você deve ser linda dormindo")

E no final das férias arrumei minha malinha e voltei para o Brasil, mas uma parte do meu coração continua lá com as pessoas especiais que deix…

... e o que deixou no Brasil?

Imagem
"Amanda, o que você tem a dizer quanto ao que deixou no Brasil?"
Bem, já sabia que a partir do momento em que que decidimos deixar tudo para trás e vir para cá, aqui seria minha nova vida, ou melhor, aqui se iniciaria minha nova vida. Então basicamente o que deixei para trás permitiu que a Amanda até 04/02 fosse formada, mas ao pisar nessa terra uma nova etapa começou e ela está me ajudando a ser quem sou hoje. 
Quanto as pessoas que deixei já se torna um pouco mais profunda a situação, porque uma parte delas sempre estará comigo, em meu coração e sei que o mesmo ocorre quando se trata delas por mim. 
Mas sei que em algum dado momento as coisas podem vir a se tornar um pouco diferentes, afinal, da mesma forma que minha vida recomeçou e começou a seguir, com a delas ocorreu o mesmo e isso é normal e está tudo bem, porque eu sei que, mesmo que tudo mude, numa parte do meu coração sempre terá uma lembrança boa e muito amor e carinho para dar, do amor e carinho que senti, sinto…

Eaí, como você está agora?

Imagem
Bom, em Fevereiro fez 1 ano que estou morando aqui, isso até falei logo no início desse monte de postagens sobre minha mudança, e hoje posso dizer com tranquilidade e calma no meu coração: no momento eu estou onde realmente deveria estar.
No começo, até quando fomos para nossa casa, eu não me sentia "em casa". Lembro até de um dia em que disse para mamãe que estava ali só para dormir, que nem sabia porque tínhamos uma casa com todos os cômodos se apenas ficávamos na cozinha e depois no quarto. E mamãe, mesmo tendo ficado triste comigo pelo que tinha dito, teve a paciência e sabedoria para conversar comigo e esperar o meu tempo de adaptação se estabilizar. E, como em todas as outras vezes, me deixou chorar no ombro dela, até recuperar minhas forças assim como ela fez nos meses mais tempestuosos...
Lembro do meu pior mês, Julho, que para minha infelicidade eu chorei TODOS OS DIAS, principalmente porque tinha mudado de loja, nesse caso era a última a sair, então tinha que limp…